segunda-feira, setembro 30, 2013

Mudança da praça de pedágio em Santa Cruz está em discussão

Foto: Divulgação
Longe de beneficiar o Distrito Industrial e os moradores de Xerém, a mudança da praça de pedágio na BR-040, na altura de Santa Cruz, visa evitar a perda de receita da empresa que opera a via. A nova praça está sendo construída logo após a entrada de Xerém, já quase na subida da Serra, em função de outra obra que vai mudar os acessos ao Rio: o Arco Metropolitano. A identificação da rota de fuga, pelo perímetro urbano de Caxias, foi decisiva, segundo a própria Agência Nacional de Transportes Terrestres, que regula o setor, para a mudança da praça de pedágio. Para o deputado Bernardo Rossi (PMDB) que está arguindo a ANTT, a preocupação é de não haver recursos disponíveis para a totalidade da nova pista de subida.

-A própria agência em resposta a um ofício que enviei admite que há "tratativas de um termo aditivo" entre União e Concer, ou seja, a obra foi iniciada sem garantias de aporte do governo federal. Hoje, o primeiro lote da nova pista, obras em Caxias e a nova praça estão orçadas em R$ 67 milhões dos R$ 280 milhões que a Concer diz ter em caixa. A nova pista passa de R$ 1 bilhão e não há recursos garantidos para toda a sua extensão", aponta.
O parlamentar acredita que a obra possa sofrer paralisações e atrasos logo após a nova praça de pedágio ser construída. "Fica claro que o interesse imediato é salvar a receita do pedágio com a mudança da praça. Temo pelo comprometimento do restante da obra", aponta.
Uma rota de fuga pelo Arco Rodoviário, na altura de Caxias, quando há um entrocamento com a BR-040 foi visualizada pela Concer e a ANTT. Ela já poderia ser usada em 2014, quando as obras do arco começam a ser finalizadas,
- O primeiro lote das obras da nova pista começou pela praça de pedágio por este motivo. A nova praça fica dois quilômetros mais distante da atual, já chegando na Serra. Durante anos os moradores de Caxias foram prejudicados com a má localização dos guichês de cobrança e agora a nova praça é erguida para que a empresa que administra a rodovia não seja prejudicada", aponta Bernardo Rossi.
O assunto foi debatido na Câmara de Vereadores de Caxias que recebeu a informação, oficial, da ANTT que assume a mudança em função da rota de fuga do pedágio. "Caxias, em especial o distrito industrial de Xerém perdeu, durante esses 17 anos de concessão, empresas e oportunidades que nunca serão ressarcidas. É o risco que corre Petrópolis. Sem a nova pista de subida e com a atual obsoleta, a 
cidade pode parar no tempo. É preciso garantir que depois da nova praça a obra seja, de fato, realizada", afirma. Bernardo Rossi.

Arco Metropolitano
Uma das maiores obras de infraestrutura no Estado, o Arco Metropolitano começa em Manilha e vai até o município de Itaguaí. São 146 quilômetros e ele corta oito municípios. Ele foi idealizado em 1970, mas só começou a ser viabilizado em 2007. São 146 quilômetros de novas pistas que seguirão o mesmo percurso formado pelas rodovias BR-493 e RJ-109. Ligará as cidades de Itaboraí, Guapimirim, Magé, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Japeri, Seropédica e Itaguaí. O Arco faz a conexão dos cinco grandes eixos rodoviários do país com o Porto de Itaguaí.
Fonte:Tribuna de Petrópolis 

domingo, setembro 29, 2013

Transporte intermunicipal passa por nova licitação

Foto: Reprodução
As empresas que prestam serviços de transporte intermunicipal em todo o Estado do Rio de Janeiro agora precisarão passar por uma concorrência para poder prestar o serviço. A decisão foi unânime, por parte da Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que pôs fim à irregularidade na outorga de permissão sem prévia licitação. Ficou decidido também que as empresas que já prestam o serviço atualmente não terão direito à indenização, já que toda permissão é temporária. O prazo para que o estado se adeque à decisão é de um ano.

Em Petrópolis, a empresa que presta o serviço de transporte entre a cidade e a capital, Única/Fácil, também pode sofrer com a mudança. Segundo Luiz Assunção, gerente de operações, a licitação já é esperada pela empresa.
Estamos preparados para uma concorrência e desde o início deixamos que fizessem por eles mesmo a contagem e levantamento de passageiros que transportamos por dia, entre outras pesquisas, para que não fossem dados cedidos pela própria empresa”, disse. Ainda de acordo com Luiz, o último contrato assinado com a empresa se encerra agora no mês de outubro.
Na última sessão de julgamento, foram examinados três recursos especiais, um do Departamento de Transporte Rodoviário fluminense (Detro) e outros dois das empresas Viação Paraíso Ltda. e Viação Santa Luzia Ltda., que pretendiam discutir a validade dessas permissões e também a possibilidade de indenização às permissionárias, caso o contrato viesse realmente a ser rompido. 
A Segunda Turma do STJ, no entanto, negou os pedidos de recursos e indenizações para as empresas, considerando que toda permissão tem índole temporária e o poder público tem todo o direito de revogar a permissão e retomar para si o direito de prestar o serviço ou de concedê-lo a terceiro, mediante licitação prévia.
O processo teve início em ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, cuja finalidade era regularizar uma situação jurídica que perdura há mais de 70 anos, referente à forma como vem sendo prestado o serviço de transporte público intermunicipal de passageiros.
Fonte:Tribuna de Petrópolis 

sábado, setembro 28, 2013

Imperial Moto Fest: evento deve reunir 600 motoclubes de vários cantos do país


Foto: Divulgação
Neste final de semana os veículos de duas ou três rodas vão tomar conta das ruas de Itaipava, mais precisamente do Parque de Exposições. Isto porque lá está acontecendo à quarta edição do Imperial Moto Fest, organizado pela Associação dos Motociclistas de Petrópolis (AMP) que conta com 12 motoclubes. O evento tem o apoio do Petrópolis Convention & Visitors Bureau (PC&VB), SICOMÉRCIO – Sindicato do Comércio Varejista de Petrópolis e da Fundação de Cultura e Turismo de Petrópolis (FCTP).
Sábado e domingo estão repletos de atividades e atrações para os participantes da festa. Para começar o dia, quem estiver acampado no Parque vai poder desfrutar de um farto café da manhã, que também será servido no domingo.
No total 11 bandas de rock vão marcar presença no Imperial Moto Fest. Hoje (27) é a vez dos grupos Na Mira e Drenna.  Amanhã as apresentações começam às 14h com a banda Tuxedo. E a música não para! Até 1h vão subir ao palco as bandas Crocodile, Valve, Faixa Etária e covers de Legião Urbana e Raul Seixas. Fechando o festival, no domingo o espaço é do rock petropolitano, com as bandas Deriva, Meridium e Ovelha Negra.
Além de shows, o encontro conta com exposição de motocicletas, lojas temáticas, praça de alimentação, Carreta Truck Art Bar e espaço para compra e venda de motos.
No ano passado o evento reuniu cerca de 500 motoclubes e muitos dos representantes vieram de longe. Alguns do Mato Groso, Rio Grande do Sul, Salvador, Goiânia, São Paulo, Belo Horizonte e outros de lugares mais próximos como Região dos Lagos, Rio de Janeiro, Região Serrana e Sul Fluminense.
“Esperamos este ano reunir aproximadamente 600 motoclubes. Aproveito ainda para convidar o público petropolitano para conhecer um pouco mais nosso mundo. Um mundo de igualdade, fraternidade, trânsito seguro e bastante familiar”, disse o presidente da AMP e do Motoclube Radicais Livres, Arlindo Soares, frisando que a entrada é franca. “Nós pedimos apenas a colaboração de 2kg de alimento não perecível, que serão doados para três asilos e um orfanato da cidade”.
Mais informações podem ser consultadas pelo telefone da Associação dos Motociclistas de Petrópolis: (24) 2237-3191 ou pelo e-mailarlindo0714@gmail.com.

Fonte:Tribuna de Petrópolis 

sexta-feira, setembro 27, 2013

Comércio de Nogueira sofre prejuízos com lentidão nas obras da praça principal


Foto: Marco Oddone
Moradores e comerciantes de Nogueira dizem que as obras de reforma da praça principal do bairro estão provocando grande queda no movimento do comércio da região.

O comerciante Fernando, 58 anos, nascido e criado em Nogueira, conta que as vendas caíram tanto após o início das obras que dois comércios do entorno da praça faliram. "As duas lojas do outro lado da rua, fecharam porque ninguém parava ali pra comprar. Não temos mais estacionamento", disse. Fernando conta que vendia em média 200 frangos por semana, mas atualmente não consegue vender mais que 80. "Eu não sei mais o que fazer!", exclamou, mostrando sua indignação. 
Para Leonardo Nogueira, 35 anos, as obras tiraram o lazer da população. "O grande problema é que não há movimento aparente na obra, que era para terminar em outubro. Esse atraso prejudica o desenvolvimento do nosso bairro", contou. Leonardo é dono de um comércio de rações, e disse que as obras prejudicaram as vendas no seu estabelecimento.
Adriano Cordeiro, 41, conta que nunca vendeu tão pouco quanto agora. "Sou comerciante de bicicletas, e a obra está causando prejuízos ao comércio local", concluiu.
Apesar de tanta indignação, há divergência nas opiniões dos moradores. João Carlos de Oliveira, 54, é dono de uma quitanda próximo à praça. Para ele, a obra não prejudica o comércio. "A obra não atrapalhou minhas vendas. Só tenho que agradecer ao prefeito pelo benefício que nossa comunidade recebeu. O problema aqui em Nogueira é que as pessoas nunca estão satisfeitas com nada!", exclamou João. 
A reforma da praça, orçada em R$ 799.839,69, começou em 28 de maio de 2013, e o prazo para conclusão é de 150 dias. Devendo assim ser entregue até meados de outubro. Apesar de ainda estar dentro do prazo, aparentemente nem mesmo metade da obra está concluída.
A Secretaria de Obras informou, através da Coordenadoria de Comunicação Social da Prefeitura, que a reforma da Praça de Nogueira está em andamento, e que o convênio com a Caixa Econômica Federal recebeu um aditivo para que as obras no local sejam prorrogadas por mais 90 dias, devendo então ser concluídas até o fim de janeiro. "A Secretaria ressalta que os meio-fios e os cordões dos 
canteiros já foram reformados. O palco, os caminhos internos e a infraestrutura elétrica também estão concluídos", diz a nota.
Em relação às ruas esburacadas, a Secretaria disse que há duas intervenções em andamento no bairro. Em uma delas, a mesma já pavimentou três ruas: Friburgo, Ceará e Salvador. Um aditivo no convênio com a Caixa Econômica Federal permitiu que o prazo para a pavimentação de ruas do bairro fosse prorrogado por 30 dias. Faltando apenas a Rua Nicola Rossi, que será pavimentada até o dia 30 de novembro. 
A via mencionada na matéria, José Muniz Pavão, não se inclui nesta lista de ruas beneficiadas pela pavimentação.

Fonte:Tribuna de Petrópolis 

quinta-feira, setembro 26, 2013

Presa a “quadrilha do CrossFox”, suspeita de atuar em pelo menos seis assaltos nos últimos seis dias


Foto: Alexandre Carius

Foi preso, na noite desta terça-feira, o grupo suspeito de atuar em pelo menos seis assaltos a residências e estabelecimentos comerciais nos últimos seis dias, em crimes que aconteceram no distrito de Itaipava, Cascatinha, Centro Histórico e Correas. No momento da voz de prisão, um dos acusados, que tinha escondido o dinheiro roubado no mercado dentro da cueca, ficou nervoso e defecou, dificultando mais tarde o trabalho de contagem das cédulas. 
Os três homens e a mulher foram detidos após um assalto a um mercado distribuidor de alimentos no segundo distrito. Depois do assalto, eles seguiram para o bairro Carangola, onde atearam fogo no Volkswagen CrossFox, veículo roubado no início do mês e utilizado na prática dos crimes. Parte do material roubado foi recuperado e encaminhado, junto com os suspeitos para a 105ª Delegacia de Polícia, no Retiro. 

A operação conjunta entre PM e Civil, que envolveu cerca de vinte policiais e resultou na prisão do grupo, começou por volta das 20h, quando, o grupo teria cometido seu sexto assalto, desta vez no mercado de distribuição de alimentos Dib, localizado na Rua Bernardo Proença, em Cascatinha. Depois de render os funcionários, armados com revolveres, calibres 32 e 38, os três homens que integravam o grupo, D.G.M., um jovem de 22 anos,  W.R. de L., também de 22 anos, e L.M., de 29,  teriam fugido com o CrossFox, que teria sido identificado nos outros crimes.
Um dos inspetores da Polícia Civil, responsável pela investigação do crime, Aloísio Lisboa, estava em um restaurante, na entrada do bairro Carangola, quando identificou o veículo utilizado pelo grupo. “Foi coincidência. Eu estava no lugar certo, na hora certa. Vi o carro parar e deixar um dos acusados, que seguida pegou um táxi. Mais tarde descobrimos que ele foi buscar o Ford Focus, de propriedade dele, que estava estacionado em Cascatinha”, segundo o investigador, o carro era deixado no local e toda vez que partiam para um assalto eles trocavam de veículo no segundo distrito, depois desfaziam a troca.
O investigador teria decidido seguir o grupo, quando W.R. De L. retornou com o Ford Focus. “Eu acionei a delegacia e a PM, que montou cerco no Carangola, com cinco viaturas. Depois disso,comecei a segui-los. Eles estavam em alta velocidade. Quando cheguei ao clube AABB, os 

perdi de vista”, relata. Nesse momento, o investigador informa, que o grupo teria seguida até a residência onde W.R. De L. trabalha como caseiro. “Eles deixaram os dois revólveres lá e tentaram se livrar do carro, o CrossFox, que já estava 'visado'”, explica.
O investigador encontrou com a viatura onde estava o delegado titular da 105ª Delegacia de Polícia, Alexandre Ziehe. “Deixei meu carro e passamos a fazer as buscas na viatura. Cerca de um quilômetro à frente do local onde nos encontramos, avistamos o CrossFox em chamas, na entrada do Sertão Carangola. Eu avisei à PM, que eles deveriam estar no Ford Focus, de W.E. de L.”, afirma.
O comandante do 26ºBPM, Rubens Peixoto, direcionou cinco equipes para a operação. Segundo o comandante, o Ford Focus, onde estavam os três homens, foi detido após os agentes suspeitarem do veículo. “Quando o Lisboa ligou avisando que eles tinham deixado o outro carro e estariam no Focus, nós demos voz de prisão”, informou o cabo Anderson. 
Fonte:Tribuna de Petrópolis 

quarta-feira, setembro 25, 2013

Área usada para despejo de entulho em Itaipava ainda não foi recuperada

Mais de dois anos depois, o terreno que fica às margens do km 59 da BR-040 e que recebeu mais de 300 mil metros cúbicos de detritos retirados das áreas atingidas pelas chuvas de fevereiro de 2011, ainda não foi recuperado.
O local já está completamente tomado pelo mato e não teve até hoje qualquer remoção do material que foi depositado na área, provisoriamente, e chegou a ser terraplanado.
Segundo a prefeitura, há dois meses o município entrou em acordo com a proprietária do terreno em uma audiência conciliatória. Pelo acordo, a prefeitura começa hoje a recuperação das margens do local. Ainda de acordo com o órgão, a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável começará a fazer o plantio de mudas para a recuperação ambiental do terreno no dia 15 de outubro.
A polêmica ocupação do terreno pelo município começou quando entrou em vigor o decreto que instituiu o estado de calamidade, em Petrópolis. O local virou depósito de detritos, retirados dos locais atingidos pela chuva. No local, foram depositados 380 mil metros cúbicos de detritos, que foram transportados em 17.800 viagens de caminhão. Na época, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informou que a montanha com mais de três metros de altura de entulhos ficaria no local de forma provisória, mas nada foi retirado.
Hoje o mato já toma conta de todo o espaço. O assunto chegou a ser acompanhado também pelo Ministério Público Federal (MPF), que investigava possíveis danos ambientais em Área de Preservação Permanente (APP). Prefeitura e Inea afirmaram que análises técnicas comprovam que o solo não foi contaminado pelos detritos. Sem contaminação, a previsão é de que o material não seja mais retirado do terreno, que deverá ser reflorestado. O Inea esclareceu que a Prefeitura de Petrópolis apresentou a análise do solo do local, realizada pelo laboratório do Senai, na qual ficou demonstrado que não houve contaminação.
Fonte:Tribuna de Petrópolis 

terça-feira, setembro 24, 2013

Jazz & Blues confirma presença do Monte Alegre Hot Jazz Band

Jazz & Blues confirma presença do Monte Alegre Hot Jazz Band

Foto: Divulgação
De 10 a 13 de outubro, a Cidade Imperial se torna palco do Petrópolis Jazz & Blues Festival 2013. No dia 11 de outubro, às 20h30, a atração do Petrópolis Jazz & Blues é o Monte Alegre Hot Jazz Band, no palco do Parque Municipal em Itaipava.
O grupo de Traditional Jazz & Dixielandpromete contagiar e interagir com o público do festival. Sua formação acústica típica de uma banda de rua de New Orleans traz ao grupo uma sonoridade característica do gênero e seu repertório é formado por arranjos de temas famosos compostos durante as primeiras décadas do século 20, como Royal Garden Blues, That’s a plenty e Bourbon street parade.
Neste ano, além da apresentações nacionais e internacionais de grande nomes do gênero, o evento traz grandes novidades, como a realização dos shows em Itaipava e uma infraestrutura que vai contar com área gastronômica diversificada, exposições e espaços literários, entre outros.
Serão três dias de música, em dois palcos com dez apresentações. Os ingressos já estão a venda com valores a partir de R$ 30 e podem ser adquiridos no site do ingresso rápido (www.ingressorapido.com.br) ou nos pontos de venda: Duetto’s Café, Ewiglich Joias e Cine Itaipava e Ar ’t Café (no Shopping Itaipava).
Fonte:Tribuna de Petrópolis

segunda-feira, setembro 23, 2013

Meninas começam a ser vacinadas contra HPV em 2014 pelo SUS

Meninas de 11 a 13 anos serão vacinadas a partir de 2014 contra o vírus papiloma humano (HPV), que pode causar o câncer do colo de útero. A partir de 2015, a vacinação vai abranger meninas dos 9 anos até os 11.  O Estado do Rio foi o primeiro, com lei do deputado estadual Bernardo Rossi, a estabelecer a vacinação gratuita contra o vírus. Outros estados seguiram a iniciativa o que levou o Ministério da Saúde, que estudava a questão, a estabelecer a imunização em massa.
Até então, a vacina só era aplicada na rede particular ao custo de R$900.  O anúncio da vacinação foi feito nesta quarta-feira (18.09)celebrando os 40 anos do Programa Nacional de Imunização (PNI).
Em Petrópolis, mais de 20 mil meninas nas duas faixas etárias serão imunizadas ano que vem e em 2015. No Estado do Rio,  253.500 meninas receberão as doses da vacina. Em todo o país, o público-alvo da campanha é de 5,2 milhões de meninas e a meta é imunizar 80% delas em dois anos.  A vacinação ocorrerá de forma estendida – a segunda dose da vacina será aplicada seis meses depois da primeira; a terceira dose, cinco anos após. A campanha está orçada em R$ 360,7 milhões para serem aplicadas 12 milhões de doses.
-  O Estado do Rio foi o primeiro a ter uma lei, minha e de Rafael Picciani, deputado licenciado e secretário estadual de Habitação, tornando essa vacinação obrigatória. Outros Estados seguiram a Alerj e também estabeleceram a distribuição da vacina na rede pública. Isso pressionou o governo federal a determinar de imediato a vacinação em todo o país. É um investimento, sobretudo, em medicina preventiva. O tratamento do câncer é caro, doloroso e desestabiliza os lares porque hoje 44% das casas são chefiadas por mulheres. Estamos garantindo estabilidade física, emocional e também para a economia. O país depende hoje da força de trabalho feminina", aponta Bernardo Rossi.
O vírus HPV é a doença sexualmente transmissível mais comum entre homens e mulheres e está diretamente associado ao câncer de útero.
Noventa por cento dos casos deste tipo de câncer são decorrentes do HPV, A doença acomete 18 mil mulheres por ano no Brasil, das quais 4.800 morrem. São 50 novos casos por dia  diagnosticados e 13 óbitos também por dia são registrados em todo o país. 
A vacina que será aplicada no Brasil protege contra quatro tipos de vírus do HPV – 6, 11, 16 e 18. Dois deles, o 16 e o 18, respondem por 70% dos casos de câncer de colo de útero, segundo o 
Ministério da Saúde.
Fonte:Tribuna de Petrópolis 

domingo, setembro 22, 2013

Pedágio dá lucro de R$ 1 milhão por dia

Juntas, as oito concessionárias de rodovias que operam no Estado do Rio lucram, por dia, R$ 1 milhão dos R$ 4,5 milhões arrecadados apenas com a cobrança de pedágio. A divulgação do valor apurado, incluídas outras fontes de receita como espaços de propaganda e cabeamento de fibra ótica, devem ser tornados públicos aos usuários. Os dados também devem ser informados, detalhadamente, aos agentes públicos do poder Legislativo e do Executivo nas esferas federal, estadual e municipal. O deputado estadual Bernardo Rossi (PMDB) está apresentando projeto de lei neste sentido.
“A falta de manutenção da BR-040, principalmente no trecho de Petrópolis, suscitou essa iniciativa. No seu relatório anual, a própria Concer, que opera a via, ressalta investimentos de R$ 30 milhões em encosta e pavimento contra uma receita operacional líquida de quase R$ 300 milhões em 2012. São apenas 10% reinvestidos na estrada. Depois de 17 anos de concessão, o resultado da falta de cuidado são as pistas que temos hoje, a falta de iluminação, de telefones de emergência e uma série de ações que deveriam estar funcionando para a segurança e conforto do usuário que paga um dos pedágios mais caros do país", afirmou Bernardo Rossi.
A arrecadação da Concer nos 180 quilômetros que administra na rodovia BR-040 entre Rio-Petrópolis-Juiz de Fora – considerando a tarifa básica de R$ 8 e a passagem por apenas uma das três praças de pedágio – está na ordem de R$ 520 mil por dia.
A média de lucro das operadoras no estado é de 20% do total arrecadado, o que soma R$ 1 milhão diários. Além da Concer, operam em concessões no Estado a CRT, Via Lagos, Lamsa, Nova Dutra, Rota 116, Ponte S.A. e Autopista Fluminense. Juntas, elas mantêm 23 praças de pedágio.
No relatório anual de 2012, a Concer informa que passaram pelas três cabines de pedágio 31,2 milhões de veículos, 6,2% a mais do que no ano anterior. A receita operacional líquida foi de R$ 294,6 milhões, o que significa 14,9% a mais do que em 2011.
“Ainda que a tarifa de pedágio não tenha sido reajustada no segundo semestre de 2012, verificamos que a receita da concessionária cresceu por conta do volume de veículos trafegando. Ao mesmo tempo, os investimentos na manutenção, em comparação com o lucro, são irrisórios”, afirma Bernardo Rossi. No próprio relatório anual, a empresa informa seus investimentos na rodovia. Contenção de encostas – que aparece em dois destaques distintos, confundindo o leitor – teve investimento de R$ 21,9 milhões em 2012, e em pavimentação foram investidos módicos R$ 9,2 milhões.
“Veja bem, a empresa tem uma receita operacional líquida de R$ 294 milhões e aplica apenas R$ 30 milhões em encosta e pavimentação. É essa informação que queremos que chegue ao usuário, em painéis ao longo da estrada e no site da empresa, trimestralmente, como prevê o projeto de lei. É essa informação que também deve chegar aos órgãos públicos”, defende Bernardo Rossi.

Concessionárias também lucram com propaganda e cabeamento
A média de lucro das operadoras no estado é de 20% do total diário arrecadado, o que perfaz a conta extraordinária de R$ 1 milhão apurados diariamente. Mas, outras receitas ainda não entram nessa conta. De acordo com a própria Concer, por exemplo, a tarifa de pedágio corresponde a 94,8% da receita da empresa e o restante é resultado do "aluguel" de suas áreas de domínio, espaços às margens das rodovias por onde passam cabos de fibra ótica, com clientela cativa de operadoras de telefonia. As propagandas ao longo da rodovia também representam receita para as concessionárias, entre elas a Concer.
Pelas regras da Agência Nacional de Transportes Terrestres, ANTT, que regula o setor, parte desta receita deve ser usada para abatimento do cálculo tarifário. “Mesmo com receitas extras, o valor do pedágio continuou subindo nos últimos anos, acima do que deveria. Hoje, o pedágio a R$ 8 representa um aumento acumulado de 319%, desde o início da cobrança, em 1996, quando foi estipulado em R$1,91. Se levarmos em conta o início do Plano Real (julho de 1994) até o fim de 2011 e uma inflação acumulada no período de 218%, a tarifa não deveria ultrapassar R$ 6”, protestou Bernardo Rossi.
Para o deputado, hoje a propaganda ao longo da via, em especial na pista de subida, apenas polui o visual: “Se a arrecadação com essa fonte de renda não contribui para baratear o pedágio, ela deve ser abolida.
Fonte:Tribuna de Petrópolis

sábado, setembro 21, 2013

Ônibus do Detro está ‘abandonado’ em pátio da Rodoviária do Bingen

 Há mais de dois anos, o Departamento de Transporte Rodoviário do Rio de Janeiro (Detro), solicitou à Sinart, concessionária que explora o Terminal Rodoviário Leonel Brizola, no Bingen, um espaço para deixar o ônibus que é utilizado como suporte operacional para as equipes durante a fiscalização na serra. O veículo, raramente utilizado no período, ainda se encontra no local, em estado de abandono. Segundo o gerente do Terminal Rodoviário, Roberto Batista, o pedido de utilizar o pátio de espera dos ônibus de embarque aconteceu há mais de dois anos, com a promessa de que seria por “pouco tempo”. “Isso aconteceu na gestão anterior à minha. A informação que obtive é de que eles solicitaram o espaço porque não poderiam mais deixá-lo no posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no Belvedere. E desde então ele continua aqui”, explicou. Ainda segundo o gerente, a última vez em que o veículo foi utilizado foi há cerca de quatro meses, e no período em que está no terminal raras foram as ocasiões em que prestou apoio a alguma operação na serra. “Antes também, a última vez que foi usado foi em intervalo semelhante. Cheguei a questionar um funcionário do Detro, se o ônibus seria retirado daqui, e ele disse que checaria a situação. Felizmente, o espaço que temos para veículos aqui é grande, mas, pelo menos, gostaríamos de ver o ônibus sendo mais utilizado, que esse uso do espaço resultasse em mais operações que beneficiassem a região”, afirmou Batista. O estado de conservação do veículo, porém, é lastimável. Sem um dos retrovisores e parado sob a ação do tempo, o equipamento público tem aparência de estar em total estado de abandono.
Fonte:Tribuna de Petrópolis

sexta-feira, setembro 20, 2013

Rio-Petrópolis tem interdição para obras do Arco Metropolitano

ção O tráfego de veículos sofrerá alterações na altura do km 109 da BR-040 (Rio-Petrópolis) nos dias 20 (sexta-feira), 21 (sábado) e 22 (domingo) deste mês com a interdição parcial e total das pistas nos dois sentidos, por conta das obras de construção do trevo de interseção do Arco Metropolitano. Os motoristas terão nesses momentos vias alternativas nas duas direções para prosseguir viagem. Na sexta-feira, a pista no sentido do Rio será interditada parcialmente das 22h até 0h de sábado. A partir da meia-noite, a rodovia ficará totalmente fechada até 5h, com a interdição também da pista no sentido de Petrópolis. A partir das 5h, a pista em direção ao Rio será liberada, enquanto a do sentido de Petrópolis continuará interditada parcialmente até 7h para reposição de barreiras rígidas pré-moldadas. Após as 22h de sábado (21/9), a pista no sentido Rio sofrerá nova interdição parcial até meia-noite. A partir daí, com o fechamento da pista no sentido de Petrópolis, a rodovia voltará a ficar totalmente interditada, nos dois sentidos, ao trânsito até 5h de domingo. A partir daí, apenas a pista no sentido de Petrópolis continuará parcialmente fechada até 7h para reposição de barreiras rígidas pré-moldadas. Estas operações poderão ser adiadas para o fim de semana seguinte (27 e 28/09) se as condições climáticas não forem adequadas. Para acesso aos desvios, os motoristas em direção ao Rio poderão seguir viagem pegando a Estrada de São Lourenço, pouco antes das obras do trevo, passando pela Estrada Dona Teresa Cristina e pela Alameda Paiçandu para daí retornar à BR-040. Quem for para Petrópolis terá de seguir pela Rio-Teresópolis (BR-116) até Imbariê, próximo à Viação União, e retornar à BR-040. Veículos com altura superior a 4,5 metros estarão proibidos de trafegar na rodovia durante os períodos de interdição. Os interessados poderão obter mais informações sobre as condições de trânsito pelos números 0800-282-0040 (BR-040) e 0800-021-0278 (BR-116). O trevo na BR-040 é o mais complexo das interseções do Arco com rodovias federais que a Secretaria estadual de Obras está construindo na Baixada Fluminense. Além de 10 alças, o trevo terá oito viadutos, quatro em concreto armado e quatro em estrutura metálica. Dos dois viadutos ali existentes, apenas um será mantido, mas ampliado com estrutura metálica, e o outro demolido. Segundo o secretário de Obras, Hudson Braga, o Arco é a obra estratégica mais importante do Estado do Rio das últimas décadas, porque vai interligar rodovias federais que cortam o território fluminense, integrar vários grandes complexos industriais e transformar a Baixada Fluminense em uma grande área de logística. A conexão do Arco com os grandes eixos rodoviários do país – Rio-Santos, Rio-São Paulo, Rio-Belo Horizonte-Brasília, Rio-Bahia e Rio-Vitória - permitirá reestruturar a malha rodoviária da Região Metropolitana. O Arco é um sonho que o governo do estado está tirando do papel depois de mais de 30 anos - afirmou o secretário. A rodovia será um extensão da BR-493, ligando Itaboraí, a partir do entroncamento com a BR-101 Norte, a Itaguaí, onde se conectará com a BR-101 Sul, num total de 145 quilômetros. O trecho virgem da estrada, com 79,9 quilômetros, entre Duque de Caxias e Itaguaí, está sendo feito pelo governo do estado. Fonte:Tribuna de Petrópolis

quinta-feira, setembro 19, 2013

Petropolitanos criam aplicativo para consulta de horários de ônibus do município

O Brasil é o quarto país do mundo em número de smartphones: são 70 milhões de aparelhos, ficando atrás somente da China, Estados Unidos e Japão. De encontro à demanda do usuário cada vez mais exigente, veio também o aumento e a proliferação de aplicativos. São softwares dentro dos aparelhos capazes das mais diversas funcionalidades que vão desde o acesso as redes sociais até aqueles que medem os batimentos cardíacos usando a luz do flash do aparelho. Em Petrópolis, os estudantes de sistema informação Heitor Oliveira e Breno de Delgado desenvolveram mais um aplicativo que promete facilitar a vida dos usuários de ônibus, o HoraBus Petrópolis. Lançado há duas semanas, o aplicativo está disponível para os sistemas Android e Windows Phone gratuitamente, mas até janeiro de 2014 os usuários de IOS também poderão baixar o programa. Segundo Heitor, as plataformas foram escolhidas incialmente com base no número de usuários. “Cerca de 90% da população brasileira faz uso desses sistemas”, explicou. Segundo ele, a ideia de desenvolver o aplicativo surgiu devido à dificuldade em encontrar os horários de ônibus no município. “É muito complicado achar os horários de partidas das empresas de ônibus e muitas vezes não sabemos nem onde procurar, já que são poucos os sites que disponibilizam essa informação. Criamos esse aplicativo nas horas vagas com o objetivo é facilitar a vida do usuário de transporte coletivo”, disse. O uso do aplicativo é simples. Após fazer o download, o usuário seleciona a empresa que deseja saber o horário e a linha de ônibus. Com base na hora do próprio aparelho, o aplicativo mostra qual o próximo horário de ônibus. Há também a opção de o usuário consultar todos os horários daquela linha com os ônibus saindo no terminal ou dos bairros. Uma funcionalidade que chama a atenção é a “Pesquisar por rua”. Por meio dela, o usuário seleciona a origem e o destino pretendido e o aplicativo lista as linhas de ônibus que passam por aquela rua. Heitor explica que o próximo passo é ter a posição de todos os ônibus no aplicativo, para disponibilizar a localização dos veículos em tempo real. Quem já usa o HoraBus Petrópolis elogia o desempenho do aplicativo. “Testei e ficou perfeito, horário correto. Parabéns aos desenvolvedores!”, comentou uma usuária na página do download. “Aplicativo nota 10. Parabéns, pessoal. Mandaram muito bem”, escreveu outro. Além do aplicativo, os rapazes criaram o site http://horabus.hogsolutions.co/ que também serve para a consulta de horários de ônibus. Fonte:Tribuna de Petrópolis

quarta-feira, setembro 18, 2013

Homem é baleado no hortomercado de Itaipava

Vítima foi atingida no braço depois de ter separado uma briga entre um casal. Autor dos disparos ainda não foi identificado pela polícia. Um homem foi baleado no início da tarde desta segunda-feira no estacionamento do Hortomercado de Itaipava. De acordo com testemunhas, Pablo Carvalho Barbosa, de 22 anos, estava trabalhando na limpeza da rua quando teria avistado um homem agredindo uma mulher e tentado intervir. O agressor deixou o local de carro e informou que voltaria. Em seguida, o mesmo homem retornou em uma moto Yamaha vermelha e efetuou três disparos. Um deles atingiu Pablo no braço. Ele foi socorrido consciente pelos bombeiros e encaminhado para o Hospital Santa Teresa. As placas dos veículos não foram anotadas pelos populares. De acordo com a assessoria de imprensa do Hospital Santa Teresa, Pablo de Carvalho Barbosa deu entrada na unidade com um ferimento por arma de fogo no cotovelo. Ele foi encaminhado para o centro cirúrgico para uma cirurgia reparadora e permanece internado. Fonte:Tribuna de Petrópolis

terça-feira, setembro 17, 2013

Ministério Público Federal acompanha obras de prevenção na Região Serrana

Procuradores do Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro, que integram o Grupo de Trabalho (GT) Desastres Naturais e Moradia, participam no próximo dia 23 de setembro de reunião para discutir a elaboração e efetivação de projetos na área de habitação e de prevenção de desastres naturais no Estado do Rio de Janeiro. A reunião contará com a participação de representantes da secretaria estadual de Obras do Rio de Janeiro, da subsecretaria Extraordinária da Região Serrana do Rio de Janeiro e de representante do Ministério das Cidades, órgão incumbido da realização de obras preventivas de desastres naturais, como de muros de contenção de encosta e drenagem de rios. “A reunião pretende acompanhar as obras de prevenção de desastres naturais executadas ou a executar no estado do Rio de Janeiro. Sabe-se que uma parte significativa da população desalojada, que recebe aluguel social do governo, passou a residir em outras áreas de risco, estando sujeitas à incidência de novos desastres", disse a procuradora da República Luciana Fernandes Portal Gadelha, uma das coordenadoras do GT. A reunião acontece na sede da Procuradoria da República no estado do Rio de Janeiro, às 9h30. Dentre os convidados, estão também as secretarias estaduais de Habitação e do Meio Ambiente do Rio de Janeiro, a Procuradoria Geral do Estado no Rio de Janeiro, a Empresa de Obras Públicas – RJ, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Companhia Estadual de Habitação do Rio de Janeiro (CEHAB). O GT Desastres Naturais e Moradia O MPF no Rio de Janeiro, buscando uma atuação coordenada dos procuradores da República no tema, criou o Grupo de Trabalho (GT) Desastres Naturais e Moradia com o objetivo de acompanhar ações preventivas do Poder Público relacionadas à minimização de desastres naturais. O GT cobra a aplicação da lei nº 12608/2012, que institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil e estabelece ser dever da União, estados e municípios adotar as medidas necessárias à redução dos riscos de desastres, sendo prioridade as ações preventivas. Compõem o GT Desastres Naturais e Moradias 18 procuradores da República, 3 da capital e 15 do interior do estado. O procurador da República Jaime Mitropoulos atua como coordenador e a procuradora Luciana Fernandes Portal Gadelha como coordenadora substituta. Fonte:Tribuna de Petrópolis

segunda-feira, setembro 16, 2013

domingo, setembro 15, 2013

Centro Cultural Estação Nogueira recebe Semana Verde

O Centro Cultural Estação Nogueira abre suas portas para homenagear a chegada da primavera: é a Semana Verde 2013, que será realizada de 20 a 29 de setembro e terá como tema “Os pássaros”. A mostra vai apresentar a variedade de aves que habitam a região e sensibilizar a sociedade para a preservação do meio ambiente. O espaço contará com exposição de fotografias de Sylvio Adalberto, Enio D’Ávila e Antonio Vitorino, além de ambientação de decoradores, artesãos e paisagistas. A exposição terá ainda peças da linha Amazônia, da tradicional cerâmica Luiz Salvador, painel de Chicô Gouveia, pipas artesanais de J. Geraldo Machado, quadros, objetos, plantas ornamentais de Árvores do Brasil, com decoração de Luciano Reis. Outra contribuição da Semana Verde de Nogueira vem do Projeto Procurando Saber, que elaborou um vídeo com as belezas do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, o qual será exibido durante a exposição. A Semana Verde de Nogueira, que conta com o apoio voluntário da professora de artes Regina Pereira e do Instituto Moleque Mateiro, irá oferecer aos alunos da Escola Municipalizada Sérgio Ribeiro Rocha três oficinas: Dia 20/9 – das 9h30 às 11h – Ilustrações sobre poemas de pássaros – professora Regina Pereira Dia 24/9 – das 13h30 às 15h - Mapeamento dos Saberes – Instituto Moleque Mateiro Dia 26/9 – das 13h30 às 15h – Treliça de Pássaros – professora Regina Pereira. Serviço: Local: Centro Cultural Estação Nogueira Endereço: Av. Leopoldina 317, Nogueira Telefone: 2237-3860 Data: 20 a 29 de setembro Visitação: segunda a sábado das 9h às 17h, domingos e feriados, das 9h às 13h Classificação: Livre Entrada Franca Fonte:Tribuna de Petrópolis

sábado, setembro 14, 2013

Petrópolis Jazz & Blues começa em outubro

Foto: Reprodução Já estão à venda os ingressos da terceira edição do festival que já faz parte da programação musical da cidade: o Petrópolis Jazz & Blues, que terá duração de três dias: de 10 a 13 de outubro. Neste ano, além da apresentações nacionais e internacionais de grande nomes do gênero, o evento traz grandes novidades como a realização dos shows em Itaipava e uma infraestrutura que vai contar com área gastronômica diversificada, exposições, espaços literários, entre outros. Serão três dias de música, em dois palcos com dez apresentações. Os ingressos custam a partir de R$ 30 e podem ser adquiridos no site do ingresso rápido (www.ingressorapido.com.br) ou nos pontos de venda: Duetto's Café, Ewiglich Joias e Cine Itaipava e Ar't Café (no Shopping Itaipava). “A grande novidade é a realização do evento no Parque Municipal de Petrópolis, que obedece ao principal objetivo do festival que é o de valorizar a cidade e, para isso, nada melhor do que usar um local que representa Petrópolis e tem uma boa localização, para ninguém ficar de fora. Além disso, o parque vai juntar a beleza, o clima e a gastronomia em nome da boa música”, disse Edigar Silva, organizador do evento. Segundo Edigar, os visitantes terão todo o conforto possível nos dias de festival. “O parque vai receber uma infraestrutura de ponta com direito à banheiros vip's com ar condicionado para todo o público do evento e uma área gastronômica de dar água na boca com a presença do Kinpai Sushi, Sótio Solidão, Wall Wine Beer, Chopin Bar, Alquimia dos Temperos e a cervejaria oficial do evento, a Cidade Imperial”, contou. Além desses atrativos o público poderá conferir uma área de exposições com produtos artesanais, como telas temáticas sobre Jazz & Blues, palestras, espaço literário, vendas de instrumentos, Jam Sessions e produtos da Eurokraft e Sky, entre outros. “Toda a área do evento vai ser coberta com tendas e piso elevado, segurança, monitoramento e cobertura médica. Tudo foi projetado visando o conforto dos visitantes e turistas. Por conta dessas novidades e, principalmente por causa das atrações nacionais e internacionais, os amantes do gênero de todo o Brasil já garantiram os ingressos. Teremos, inclusive, grupos vindos do Peru e da Argentina”. Na programação deste ano, já estão confirmadas presenças renomadas como um dos guitarristas de jazz mais respeitados de todo mundo, Larry Coryell (EUA), o Blues Man que participa dos maiores festivais do mundo, Vasti Jackson (EUA), o saxofonista Sax Gordon (EUA), o cantor Peter Fessler (Alemanha), além dos artistas nacionais que fazem sucesso com o público como o guitarrista Igor Prado Blues Band e a cantora de blues Taryn Szpilman. “O público pode esperar um festival contagiante e todos que comparerecem levarão na memória momentos incriveis e emocionantes. Para os que não conhecem o festival, sugiro que comprem os seus ingressos e se preparem para uma experiência única”. Mais informações podem ser obtidas pelo o site oficial do evento: http://petropolisjazzeblues.com.br/ ou pela Página do Facebook: http://www.facebook.com/petropolisjazzeblues. O evento possui classificação 18 anos. Fonte:Tribuna de Petrópolis

sexta-feira, setembro 13, 2013

Dia Nacional da Cachaça

Aprovado em outubro do ano passado, oficialmente, é hoje a primeira comemoração do um projeto de lei do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC). A escolha da data não foi por acaso e tem explicação na história. Em 13 de setembro de 1661, uma revolta popular contra a colônia portuguesa levou à legalização da cachaça, que era proibida até então. Tal episódio ficou conhecido como “Revolta da Cachaça”. Entre os argumentos do autor do projeto, está a luta pelo reconhecimento da cachaça no mercado internacional como bebida exclusiva e genuinamente brasileira. Hoje, até um órgão dedicado a ela existe: trata-se do Instituto Brasileiro da Cachaça- IBRAC, fundado em 2006 e situado em Brasília, DF. Bebida gourmet Água que passarinho não bebe, birita, “marvada pinga” são só alguns dos nomes que ela coleciona no vocabulário. Nos últimos, a cachaça tem deixado essa imagem popular de lado e vem conquistando o reino da gastronomia. Ganhou o status de gourmet e é cada vez maior o número de marcas que investem em qualidade sem deixar de lado os moldes artesanais de fabricação. O que aumenta também é a oferta da bebida nas prateleiras e nos cardápios de bares e restaurantes. Consequentemente, barmen criativos colocam à prova a versatilidade da bebida. Um deles é Kascão, que hoje comanda os bares em Anexo SB e Boteco São Bento, em São Paulo. Com autoridade de quem já levou um campeonato mundial de coquetelaria, 2008, em Paris, ele se diz um entusiasta da cachaça e acredita que ela pode sim ir além da tradicional caipirinha. “Vamos deixar a vodca um pouco de lado e explorar o potencial de uma coisa tão nossa”, prega. Para quem quer se aventurar nesse mundo, Kascão sugere três receitas bem fáceis de fazer e de impressionar. E aos interessados em conhecer mais sobre a bebida, o barman ministra no dia 3 de outubro, ao lado do mestre-cachaceiro Vicente Bastos, produtor da Cachaça Nega Fulô, de Nova Friburgo, RJ, que é representada pela gigante de bebidas Diageo. Na programação, história, tipos de cachaça e até harmonização com petiscos. Acontece no boteco Anexo SB, no Itaim Bibi, às 20 horas, custa R$ 100 reais e é limitado a 30 participantes. Beabá Só pode ser considerada cachaça a bebida produzida no Brasil e a partir de cana-de-açúcar. Feito isso, precisa ter graduação alcoólica 38º a 48º e pode ser dividida em dois tipos. A “branca”, é embalada logo após a produção e é mais rústica. Já a envelhecida passa, por determinações da legislação brasileira, no mínimo um ano em barris de madeira como cedro e jequitibá. Nesse processo, a bebida perde um pouco de álcool e assimila aromas, uma cor mais dourada e o sabor, suaviza. Há uma regra comum de associar a cachaça branca para coquetéis e a envelhecida, para degustar pura. Segundo o mestre-cachaceiro Vicente Barros, essa experiência pode ir além do básico. “Para caipirinhas feitas com frutas cítricas como abacaxi e a tradicional de limão, sugiro a cachaça branca”, explica. “Já a envelhecida e suas notas de madeira vão bem com lima-da-pérsia, pitanga, caju”, dá a dica o especialista. E quanto o assunto é a cachaça na panela, o mestre cachaceiro é só elogios. Para ele, é fato que a primeira associação com ela na cozinha são os flambados. Para isso, a bebida é realmente uma carta na manga: pode fazer as vezes do conhaque na hora de preparar o estrogonofe ou para dar um sabor especial à banana flambada, aquela que faz companhia perfeita com o sorvete de creme. Mas a cachaça pode ir além: a dica para quem quer fazer experimentações é começar com pratos da culinária brasileira. Carne suína e seus produtos, como linguiça e costelinha, são um bom caminho. O mesmo vale para curados como as carnes seca, de sol e a de charque. Aos mais criativos, a cachaça pode ‘roubar’ a cena e entrar no preparo de um risoto, no lugar do tradicional vinho branco. No mundo do açúcar, até sorvete com ela dá para fazer. É só soltar a imaginação. Fonte:UOL

Dia Nacional da Cachaça

Aprovado em outubro do ano passado, oficialmente, é hoje a primeira comemoração do um projeto de lei do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC). A escolha da data não foi por acaso e tem explicação na história. Em 13 de setembro de 1661, uma revolta popular contra a colônia portuguesa levou à legalização da cachaça, que era proibida até então. Tal episódio ficou conhecido como “Revolta da Cachaça”. Entre os argumentos do autor do projeto, está a luta pelo reconhecimento da cachaça no mercado internacional como bebida exclusiva e genuinamente brasileira. Hoje, até um órgão dedicado a ela existe: trata-se do Instituto Brasileiro da Cachaça- IBRAC, fundado em 2006 e situado em Brasília, DF. Bebida gourmet Água que passarinho não bebe, birita, “marvada pinga” são só alguns dos nomes que ela coleciona no vocabulário. Nos últimos, a cachaça tem deixado essa imagem popular de lado e vem conquistando o reino da gastronomia. Ganhou o status de gourmet e é cada vez maior o número de marcas que investem em qualidade sem deixar de lado os moldes artesanais de fabricação. O que aumenta também é a oferta da bebida nas prateleiras e nos cardápios de bares e restaurantes. Consequentemente, barmen criativos colocam à prova a versatilidade da bebida. Um deles é Kascão, que hoje comanda os bares em Anexo SB e Boteco São Bento, em São Paulo. Com autoridade de quem já levou um campeonato mundial de coquetelaria, 2008, em Paris, ele se diz um entusiasta da cachaça e acredita que ela pode sim ir além da tradicional caipirinha. “Vamos deixar a vodca um pouco de lado e explorar o potencial de uma coisa tão nossa”, prega. Para quem quer se aventurar nesse mundo, Kascão sugere três receitas bem fáceis de fazer e de impressionar. E aos interessados em conhecer mais sobre a bebida, o barman ministra no dia 3 de outubro, ao lado do mestre-cachaceiro Vicente Bastos, produtor da Cachaça Nega Fulô, de Nova Friburgo, RJ, que é representada pela gigante de bebidas Diageo. Na programação, história, tipos de cachaça e até harmonização com petiscos. Acontece no boteco Anexo SB, no Itaim Bibi, às 20 horas, custa R$ 100 reais e é limitado a 30 participantes. Beabá Só pode ser considerada cachaça a bebida produzida no Brasil e a partir de cana-de-açúcar. Feito isso, precisa ter graduação alcoólica 38º a 48º e pode ser dividida em dois tipos. A “branca”, é embalada logo após a produção e é mais rústica. Já a envelhecida passa, por determinações da legislação brasileira, no mínimo um ano em barris de madeira como cedro e jequitibá. Nesse processo, a bebida perde um pouco de álcool e assimila aromas, uma cor mais dourada e o sabor, suaviza. Há uma regra comum de associar a cachaça branca para coquetéis e a envelhecida, para degustar pura. Segundo o mestre-cachaceiro Vicente Barros, essa experiência pode ir além do básico. “Para caipirinhas feitas com frutas cítricas como abacaxi e a tradicional de limão, sugiro a cachaça branca”, explica. “Já a envelhecida e suas notas de madeira vão bem com lima-da-pérsia, pitanga, caju”, dá a dica o especialista. E quanto o assunto é a cachaça na panela, o mestre cachaceiro é só elogios. Para ele, é fato que a primeira associação com ela na cozinha são os flambados. Para isso, a bebida é realmente uma carta na manga: pode fazer as vezes do conhaque na hora de preparar o estrogonofe ou para dar um sabor especial à banana flambada, aquela que faz companhia perfeita com o sorvete de creme. Mas a cachaça pode ir além: a dica para quem quer fazer experimentações é começar com pratos da culinária brasileira. Carne suína e seus produtos, como linguiça e costelinha, são um bom caminho. O mesmo vale para curados como as carnes seca, de sol e a de charque. Aos mais criativos, a cachaça pode ‘roubar’ a cena e entrar no preparo de um risoto, no lugar do tradicional vinho branco. No mundo do açúcar, até sorvete com ela dá para fazer. É só soltar a imaginação. Fonte:UOL

quinta-feira, setembro 12, 2013

Cidade se prepara para o Serra Wine Week

Restaurantes e hotéis de Petrópolis já estão preparados para oferecer uma seleção tentadora de vinhos para fechar o inverno na Região Serrana do Rio. Vinte e cinco estabelecimentos espalhados pela Cidade Imperial estão com as reservas prontas para disponibilizar os nove rótulos escolhidos a preços que podem chegar a 45% de desconto. Seguindo o tema "Uma viagem pela origem do vinho", a quinta edição do Serra Wine Week, maior evento do setor na Serra Fluminense, vai contar com vinhos franceses, portugueses, italianos e espanhóis. A abertura do evento vai acontecer nesta quinta-feira em Itaipava, no restaurante Don Bistrô, que integra o Serra Wine Week, desde a primeira edição. De acordo com o Ibravin - Instituto Brasileiro do Vinho - o consumo de vinhos no Brasil até 2022 deverá quintuplicar. A média de 1,8 per capita por ano atingirá a marca de 9 litros. Petrópolis segue a tendência nacional de crescimento de consumo e o Serra Wine Week é a maior prova disso. Uma grande oportunidade para aqueles que já conhecem os rótulos, e para os que querem mergulhar nessa deliciosa descoberta. No ano passado, o evento gerou cerca de meio milhão de reais e ajudou a manter a movimentação turística e financeira mesmo no fim da alta temporada. A quinta edição do Serra Wine Week fecha no ultimo dia de inverno - no dia 22 de setembro - e colabora para o máximo aproveitamento da estação mais apreciada pelos turistas. Para Rogério Elmor, organizador do evento, a quinta edição vai ser ainda mais especial. "Temos uma ótima expectativa para esta edição. A cada ano, o evento cresce em pelo menos 10%. Temos formado um público que sabe aproveitar o serviços do Serra Wine Week e que aguarda a data com ansiedade", disse. Wine Tour e a responsabilidade social A quinta edição do Serra Wine Week vai manter a tradição do Wine Tour. Durante todos os dias de evento, uma van vai conduzir os participantes pelos restaurantes. Tudo dentro de um roteiro preparado para garantir que os visitantes desfrutem de todas as nuances do maior evento de vinhos da Serra Fluminense sem se preocupar com a direção. A programação oferece roteiros para almoço e jantar, sempre passando por oito pontos. A expectativa para este ano é de que mais de 110 pessoas utilizem o serviço, que será tarifado em R$ 150,00. A organizadora do evento, Nathália Zoner, salienta que está é mais uma comodidade para o participante do Serra Wine Week. "É uma grande oportunidade para os visitantes experimentarem o que há de melhor na gastronomia. Além disso, mostra que o evento pensa também na responsabilidade social em evitar bebida e direção", disse. Fonte: Tribuna de Petrópolis

quarta-feira, setembro 11, 2013

Câmara propõe campanha de respeito no trânsito

O crescente número de acidentes na cidade, com vítimas fatais, levou a Câmara Municipal, por meio de projeto de autoria da vereadora Gilda Beatriz, criar a campanha "Respeito no Trânsito: Sinal de Cidadania". Voltada para os alunos da rede pública de ensino do município, o objetivo segundo a vereadora “é promover uma mudança de postura por meio das crianças e dos adolescentes, criando uma cultura de não violência no trânsito e respeito a legislação de trânsito”. De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), da Secretaria Estadual de Segurança Pública, no primeiro semestre deste ano foram registradas 19 mortes no trânsito, entre pessoas atropeladas e acidentes. Ainda segundo o levantamento, há em Petrópolis um acidente de moto por dia, sem contar acidentes de carros nos quais a vítima é o próprio motorista. Para os vereadores, estes dados mostram a necessidade urgente de uma política de educação no trânsito, com campanhas educativas, não somente para as crianças e adolescentes, mas direcionada a quem está hoje no volante. Para o vereador Silmar Fortes, o município vive uma epidemia de acidentes, principalmente de motos, onde a maioria das vitimas são jovens. Durante o debate na Câmara sobre os acidentes, o vereador Pastor Sebastião comentou que muitos jovens conseguem comprar motos sem ter a carteira de habilitação. Fonte: Tribuna de Petrópolis

terça-feira, setembro 10, 2013

Moradores de Itaipava pedem melhorias em rua

Os problemas vividos diariamente pelos moradores da Rua do Repouso, situada no bairro Santa Mônica, em Itaipava, são bem antigos, mas se agravaram depois da tragédia de 2011 e persistem até hoje, já que nada foi feito para melhorar as condições do local. Os dias de chuva são temidos pela comunidade que algumas vezes já viu o rio transbordar. Isto fora os deslizamentos de terra, que levaram à interdição de algumas residências como, por exemplo, a de Veronique Simotel. “O problema acontece porque não existe um sistema adequado de escoamento de água na rua de cima. A água da chuva vai toda para o morro que fica atrás do prédio, encharcando a terra. Eles não têm que interditar nossos imóveis, mas sim resolver o problema que já se estende há dois anos”, desabafa. A falta de um sistema de escoamento de água também é um problema na via principal, que está repleta de buracos e rachaduras. “A rua está caindo desde 2011, colando em risco os pedestres e moradores. Fora que quando chove tudo isto aqui fica repleto de poças d’água. É quase impossível passar”, revela Luiz Henrique. “É preciso dragar o rio que sempre enche e já chegou a derrubar a ponte há cerca de dois anos, quando houve aquela tragédia. Em 2012 eles colocaram aqui uma placa dizendo que iriam iniciar as obras de reforma, mas nada foi feito”, lamenta Veronique. Além destes riscos diários, os moradores ainda enfrentam outros problemas. No lugar, há bastante tempo, não está sendo feita a poda da vegetação e faltam lixeiras. “A minha mãe já foi na subprefeitura várias vezes para pedir soluções para tudo isto e eles dizem que vão vir aqui e até agora nada”, revela Aurea Sarpa. Aqueles que moram depois do número 342 são obrigados a enfrentar mais um desafio. À noite o trecho é uma verdadeira escuridão, visto que não há iluminação pública. “O que revolta é que pagamos por este serviço. Todo mês vem na conta de luz a taxa de iluminação pública. Isto é um absurdo”, diz Sonia Ribeiro. Diante dos fatos, a Secretaria de Obras informa que realizará um levantamento das obras necessárias na Rua do Repouso e verificar e quais poderão ser providenciadas de imediato. O órgão destaca que procura manter a via nivelada com a colocação de material de base com brita corrida. Salienta ainda que, atualmente, todos os logradouros que não possuem pavimentação estão sendo identificados para atendimento futuro. Com relação à ponte, a Secretaria de Obras explica que o trabalho será executado pelo Estado através do DER. Já em relação à CIP, está sendo aprovado na Câmara projeto de Lei encaminhado pelo Prefeito, isentando moradores que não tenham o serviço. A Secretaria de Proteção e Defesa Civil informa que fará um levantamento do caso do prédio na Rua do Repouso e mandará uma equipe ao local para que a situação seja analisada. Fonte:Tribuna de Petrópolis

segunda-feira, setembro 09, 2013

Número de homicídios no trânsito supera o de homicídios dolosos em Petrópolis

Indicadores como homicídios dolosos (aqueles com intenção de matar) e roubos são utilizados como parâmetros para medir o nível de violência das cidades. Em Petrópolis, onde os índices de violência são considerados baixos, se comparados com a Região Metropolitana do Rio de Janeiro e à Baixada Fluminense, é o trânsito o principal causador de mortes. Segundo o balanço feito pelo Instituto de Segurança Pública – ISP, da Secretaria Estadual de Segurança Pública –Seseg, apenas nos seis primeiros meses do ano, a chance de morrer em um acidente ou atropelamento foi, em média, quatro vezes maior do que a de morrer baleado ou esfaqueado em uma tentativa de assalto, contra apenas cinco homicídios nos seis primeiros meses do ano, foram registrados 19 mortes no trânsito. Os dados da Secretaria de Segurança do Estado indicam que fevereiro foi o mês mais violento no município, ocasião em que duas pessoas foram vítimas de homicídio. Coincidentemente, foi o único mês em que os números de mortes no trânsito se equipararam ao de assassinatos. Ao longo do primeiro semestre a diferença chegou a 600% em junho, mês em que foram registradas seis mortes nas ruas e nas principais rodovias que cortam a cidade, contra apenas um homicídio. Em dois meses, janeiro e abril, nenhum assassinato foi registrado, enquanto nos demais meses (março,abril, maio e junho) foram apenas um por um. No acumulado do semestre, o número de mortes no trânsito chega a ser 73,7% maior do que a de homicídios dolosos registrados na cidade. Isso significa que, para cada morte registrada por homicídio, outras quatro aconteceram em colisões de veículos e atropelamentos. No comparativo com o mesmo período em 2012, a disparidade ficou ainda maior. Entre janeiro e junho do ano passado o número de homicídios dolosos correspondiam a metade do registro de homicídios culposos no trânsito. Foram registrados oito homicídios contra 16 mortes no trânsito. Enquanto em 2013 os homicídios não chegam a 25% do número de mortes no trânsito. Ainda comparando os períodos. Se por um lado houve redução das mortes por assassinato, oito contra cinco (queda de 37,5%). No trânsito, as mortes cresceram de um ano para o outro. Foram registradas três mortes a mais em 2013, um aumento de 18,7%. Violência aumenta nos municípios vizinhos Se compararmos os números de homicídios entre as áreas do 26º Batalhão da Polícia Militar (Petrópolis) e do 15ºBPM (Duque de Caxias), a diferença de registros chega a ser 47 vezes maior no município da Baixada Fluminense. Contra os cinco homicídios em Petrópolis, Duque da Caxias teve 236. Isso significa que as mortes na cidade representam apenas 2,1% dos registros do município vizinho, que no comparativo com o ano passado ainda contou com aumento de 31,8% no número de assassinatos (em 2012, foram registrados 179 casos). Não é apenas Duque de Caxias que apresenta aumento no número de homicídios no primeiro semestre. Apesar da área do 15º BPM ter o maior número de registros (236), a média de crescimento percentual é maior em Belford Roxo (71,2% - 161 casos em 2013, contra 94 em 2012). Nova Iguaçu, área do 20ºBPM, vem em segundo lugar no ranking, com 73 mortes a mais em relação ao primeiro semestre de 2012 (aumento de 36,3%). Fonte: Tribuna de Petrópolis

domingo, setembro 08, 2013

Defesa Civil faz exercício de acionamento do Sistema de Alerta na terça-feira

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil realizará na próxima terça-feira, 10/09, um exercício de acionamento do Sistema de Alerta e Alarme de Petrópolis. As 18 sirenes instaladas nas dez comunidades em que há o sistema serão acionadas às 10h. A ideia é que os moradores se familiarizem com o som para que, em caso de ocorrências, atendam ao chamado no momento do incidente, reduzindo assim os riscos. As sirenes estão instaladas no Quitandinha, Ferroviários, Vila Felipe, João Xavier, Sargento Boening, São Sebastião, Siméria, Independência, Dr. Thouzet e 24 de Maio. Os alertas não são dados quando vai chover, mas sim quando há risco de deslizamento na comunidade. O secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, destacou a importância do sistema para a prevenção de novas tragédias das chuvas em Petrópolis. “Atualmente, esta é a melhor medida a curto prazo para reduzir o risco de escorregamento. O sistema é uma inovação que representa um instrumento de resposta eficaz quando os índices pluviométricos atingem níveis elevados”, disse o secretário.Toda vez que a sirene é acionada, os moradores devem procurar lugares seguros, como casas de parentes e amigos ou pontos de apoio indicados pela Defesa Civil. A Secretaria de Proteção e Defesa Civil vem trabalhando para reduzir ao máximo os riscos de desastres com vítimas nas chuvas do próximo verão. Além do exercício de acionamento do Sistema de Alerta e Alarme, a Defesa Civil deu início, em agosto, à instalação de pluviômetros automáticos e semiautomáticos em áreas de risco, em parceria com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Outra frente é a formação de agentes comunitários: até o fim do ano, a secretaria irá instalar 50 Núcleos Comunitários de Defesa Civil (Nudecs), que vão favorecer o planejamento e a execução das ações da secretaria, além de disseminar a percepção de risco. Fonte:Tribuna de Petrópolis

sábado, setembro 07, 2013

Município capta recursos para a volta do trem

Reviver a época das estradas de ferro, passando por belas paisagens, não é o único motivo da reativação da Estrada de Ferro Príncipe do Grão Pará, na Serra da Estrela. Segundo Antônio Pastori, um dos idealizadores do projeto, a volta do trem vai também trazer outros benefícios para Petrópolis, como mobilidade urbana com o ganho de tempo na subida da serra e a melhora e revitalização de toda a Serra Velha. Segundo a Fundação de Cultura e Turismo de Petrópolis, o projeto para a reativação que já está pronto deve, ainda neste ano, ser entregue ao Ministério das Cidades, para a captação de recursos, mas ainda não há prazo para o início das obras. O projeto tem orçamento global estimado em R$ 217 milhões e inclui os recursos para a remoção de casas, embora ainda não haja um número definido. Prevê a implementação de um programa de sustentabilidade com impactos positivos na economia, no turismo e nas questões sociais, principalmente para as famílias que residem na área da Serra da Estrela entre Raiz da Serra, em Magé, e o Alto da Serra. “Muitos petropolitanos são reféns hoje da rodovia BR-040 e levam cerca de duas horas e meia neste trajeto, dependendo do horário, além dos problemas com retenções, acidentes, entre outros. Com o trem, este trajeto pode levar até uma hora e meia, além disso com uma vista melhor para a área de preservação”, disse Antônio Pastori. A ferrovia foi inaugurada em 1883, no império de Dom Pedro II, e está desativada desde 1964, depois de 80 anos de uso. A malha ferroviária contava com cerca de 6Km de extensão, utilizava a técnica de cremalheira e atingia uma cota acima dos 800 metros no Alto da Serra. “O novo projeto é para recuperar também estes seis quilômetros de ferrovia, da Vila Ihomorim [Raiz da Serra] até o bairro Alto da Serra, onde deverá haver uma estação de troca para um trem VLT [Veículo Leve Sobre Trilhos], mais leve e moderno, elétrico e sem nenhum dano à natureza, até o centro de cidade. Nosso objetivo é que o trem para todo este trajeto também seja elétrico”, disse. Quatorze engenheiros e técnicos da ABPF trabalharam no estudo de três volumes com todo o detalhamento do projeto. O plano trabalha com a perspectiva de gerar emprego e renda para as comunidades de entorno, que vivem ao longo dos seis quilômetros da estrada de ferro. No projeto também estão previstas a recuperação da floresta e o resgate da história da ferrovia. De acordo com o projeto, cerca de mil passageiros utilizariam o trem por dia, se consideradas as viagens de ida e volta. Nos fins de semana, feriados, estação de alta temporada e programações especiais, estima-se que mais de três mil passageiros façam o passeio. Atualmente, há um abaixo-assinado na internet que já soma mais de três mil assinaturas em prol da reativação da Estrada de Ferro Príncipe do Grão Pará. O site manifesto.com.br intitulou o projeto de Expresso Imperial. “O total de assinaturas já é maior do que o trem vai poder transportar diariamente, em termos de passageiros, estimados em 1.400 por dia. O que falta agora é um pouco mais de boa vontade para que o projeto realmente ande e saia do papel”, contou Pastori. Com a revitalização da ferrovia, a cidade terá oportunidade de reativar um dos mais belos passeios turísticos da Região Serrana. Fonte:Tribuna de Petrópolis

sexta-feira, setembro 06, 2013

Parque Municipal recebe comitê gestor

A prefeitura anunciou a criação de um comitê gestor para o Parque Municipal de Petrópolis, em Itaipava, reunindo moradores e empresários da região, representantes da Prefeitura e o legislativo. A medida tem como objetivo monitorar as ações desenvolvidas no espaço e foi acertada durante audiência com os vereadores Maurinho Branco e Ronaldão, realizada sede da Subprefeitura, em Itaipava. “Esse comitê gestor será criado por decreto e contará com a participação popular para que as ações desenvolvidas garantam a utilização apropriada de todos os espaços do parque. Nossa missão é qualificar a prestação dos nossos serviços. Temos a exata noção do significado da cidade para os petropolitanos”, disse Bomtempo. Uma reunião com o comércio e a população local será feita dentro do prazo de 15 dias para iniciar a nova fase do Parque Municipal. Os vereadores entregaram ao prefeito um relatório sobre o parque que inclui como propostas a criação de um calendário anual de eventos, melhorias na infraestrutura do espaço e a realização de atividades voltadas para a promoção da saúde, qualidade de vida e sustentabilidade. Durante o encontro, o prefeito também destacou as melhorias que vêm sendo realizadas no Parque Municipal. “Quando assumimos o governo, o parque só tinha oito bancos. Agora a Comdep está instalando 40 desses equipamentos. Também recuperamos o parque infantil com a colocação de cinco novos brinquedos. Dois deles, o carrossel e um balanço, são adaptados para crianças portadoras de necessidades especiais”, informou. Todos os banheiros também receberam obras de reforma e 30 novas coletoras de lixo estão sendo instaladas. A Comdep realizou também a limpeza do lago e todas as quadras poliesportivas receberão nova pintura. Melhorias no trânsito de Itaipava - Bomtempo aproveitou o encontro, que aconteceu durante reunião de secretariado no próprio Parque, e determinou à CPTrans e à secretaria de Obras intervenções imediatas para a melhoria do trânsito nos principais pontos de retenção do distrito, um pedido também discutido com pelos vereadores. Fonte:Tribuna de Petrópolis

quinta-feira, setembro 05, 2013

Desmatamento preocupa moradores da BR-040

O desmatamento em uma área próxima às margens da BR-040, no Km 67, sentido Rio de Janeiro, está preocupando moradores do local, que fica próximo a uma Área de Preservação Ambiental. A Secretaria de Meio Ambiente requisitou dos proprietários do terreno a comprovação da demarcação de 50 metros de distância do rio. De acordo com a secretaria, eles informaram que estão providenciando a demarcação junto ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Segundo a assessoria de comunicação da Prefeitura de Petrópolis, o governo anterior autorizou a construção de um posto de combustíveis no local. Em contato com a assessoria de imprensa do Inea, a fim de buscar dados sobre o status da demarcação foi solicitado o nome da empresa, dos proprietários ou número do processo para que a informação fosse cedida, mas a obra não apresenta qualquer placa de identificação. A Prefeitura de Petrópolis, que autorizou a obra, se negou a conceder a informação. Fonte:Tribuna de Petrópolis

quarta-feira, setembro 04, 2013

Pão terá reajuste de preços esta semana

O pão deve ficar mais caro nos próximos dias, também em Petrópolis, porque, com a valorização do dólar, a farinha de trigo, que é comprada fora do país, ficou mais cara. Além do pão que os brasileiros consomem todos os dias, massas e biscoitos também devem pesar no bolso dos consumidores. Como medida para frear a alta da moeda americana, o Banco Central vem tentando derrubar a cotação. Já vendeu dólares com compromisso de recompra, fazendo operações que chegaram a US$ 6 bilhões. Um dos problemas da alta da moeda americana é a pressão inflacionária. Já subiu o preço da farinha de trigo usada para fazer o pão de cada dia. “Importamos mais de 10 milhões de toneladas de farinha de trigo, geralmente da Argentina e dos Estados Unidos. Como há uma recessão grande nos dois países e há escassez do produto, ele acabou ficando mais caro”, disse Roberto Badro, do Sindicato da Panificação de Petrópolis. Segundo ele, o saco de farinha, que era comprado por R$ 50,00 até R$ 60,00 em maio deste ano, hoje não custa menos de R$ 95,00. A Associação Brasileira de Panificação (Abip) estima que 44 milhões de brasileiros frequentem padarias para comprar pão no país. E cada pessoa no Brasil consome cerca de 34 quilos de pão por ano. O preço do pão francês subiu 6% só neste ano, e quando ele fica mais caro a gente sente logo. De acordo com a Associação da Indústria de Panificação, o brasileiro consome, em média, 660 pães por ano. Uns dois por dia. “Na média da Organização das Nações Unidas [ONU], cada pessoa deveria consumir até 60 quilos por ano. Já estamos abaixo do que deveria ser. Há, sim, uma preocupação com os preços que continuam subindo. Com certeza vai ter um aumento no pão francês, mas não podemos ainda afirmar quando isso vai acontecer”, disse Roberto. Fonte:Tribuna de Petrópolis

terça-feira, setembro 03, 2013

Belvedere é interditado por três anos

O mirante do Belvedere do Grinfo, situado na descida da serra de Petrópolis, será interditado à visitação pública a partir de 10 de setembro. De acordo com a Concer, concessionária que administra a estrada, a interdição será necessária para a instalação de uma área de apoio industrial às obras de construção da Nova Subida da Serra, iniciadas no semestre passado. A área de apoio industrial será instalada no entorno do monumento e funcionará em caráter temporário. A interdição se estenderá por três anos, até a conclusão da nova pista, e permitirá também a recuperação ambiental da área do Belvedere. Construído na década de 50, o Belvedere fica no km 89 da rodovia, na pista sentido Rio de Janeiro. No local, a Concer instalará um pátio de estruturas pré-moldadas, que serão empregadas nas pontes e viadutos da nova pista, um escritório do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho, ambulatório para operários da obra, entre outros serviços. A pista em construção pela Concer substituirá a atual subida da serra da Rio-Petrópolis, aberta em 1928. Fonte:Tribuna de Petrópolis

segunda-feira, setembro 02, 2013

Trechos da BR-040 em meia pista devido a obras

Os quilômetros 96 e 101 sentido Juiz de Fora e 97, sentido Rio de Janeiro, estão em meia pista, informou a Concer – Companhia de Concessão Rodoviária Juiz de Fora-Rio, na manhã desta segunda-feira, devido a obras de melhorias, que estão sendo realizadas nesses trechos. Fonte: Tribuna de Petrópolis

domingo, setembro 01, 2013

Banco de Sangue busca por doadores

Foto: Roque Navarro Apesar da campanha solidária dos torcedores do clube de futebol Botafogo - “Bota Sangue”, que vem sendo realizada ao longo desta semana, ter aumentado significativamente o número de doadores no banco de sangue do Hemocentro do Hospital Santa Teresa (HST), o local ainda precisa de doadores do tipo sanguíneo O, positivo e negativo. A campanha termina nesta sábado, e é uma iniciativa dos torcedores que já acontece há três anos consecutivos, onde o grupo Bota Chopp convoca torcedores, não só do alvinegro, como também de outros times para doar sangue. O banco de sangue de Petrópolis precisa de no mínimo 40 doadores por dia para atender as necessidades dos hospitais da cidade, no entanto, a média tem sido de 20 pessoas por dia. Apenas nesta semana, segundo Patrícia Peres, coordenadora técnica do local, que houve um aumento. “Vieram muitas pessoas para doar devido à campanha. Mas mesmo assim ainda estamos precisamo de sangue principalmente do tipo O positivo”, explicou. Para aqueles que não sabem o que acontece com o seu sangue após ser doado, um exemplo é quando alguém sofre um acidente e perde muito sangue, esta pessoa precisa fazer transfusão para repor o que foi perdido. Além disso em cirurgias muito longas, ele também é utilizado para garantir e manter a quantidade de sangue necessária no paciente. Algumas doenças, como a hemofilia, que se caracteriza pela dificuldade do corpo em conter sangramentos, dependem quase que exclusivamente da solidariedade do próximo para sobreviver. Pacientes que passaram por transplantes ou estão no tratamento contra o câncer também precisam. Marcia dos Santos, captadora do banco disse que a população é muito solidária quando se pede doação em período de tragédia ou quando alguém precisa por causa de acidente ou cirurgia. “Mas as pessoas precisam saber que todos os dias precisamos de sangue, pois há doenças onde o paciente necessita de transfusão por causa do tratamento que faz”, disse. A campanha se encerra hoje e a expectativa para os funcionários do local é boa, disse Patrícia. “Hoje é como se fosse o dia D da campanha, esperamos receber muitas pessoas”, disse. O Banco de Sangue funciona das sete até às 17 horas de segunda à sexta-feira. Além disso, aos sábados também tem coleta, das 7h às 11h. Para doar é importante atender a algumas exigências: o doador não pode ter ingerido leite ou derivados no café da manhã, nem mesmo alimentos gordurosos no dia anterior; é necessário pesar mais do que 50kg; estar saudável (não estar gripado, por exemplo); não ter ingerido álcool, nas últimas 12h; ter entre 16 e 67 anos (menores de idade precisam estar acompanhados do responsável; e não ter feito tatuagem no último ano. O telefone do Hemocentro que fica no Hospital Santa Teresa é (24) 2245-2324. O endereço é a Rua Paulino Afonso, 477 – Bingen. Fonte:Tribuna de Petrópolis